Espumantes para leigos

CHAMPAGNEO espumante é uma bebida vista por muitos como “a cara da riqueza” e, sinceramente, até pouco tempo também tinha essa visão. Não porque só existem opções caras de espumantes, mas na verdade porque não é costume de quase ninguém tomá-lo em casa, assim como se fosse uma cerveja de fim de semana. Na verdade, na maioria dos casos, o espumante só aparece em nossas vidas em festas de Reveillon, casamento ou outras similares. Como essas datas são consideradas importantes e especiais, na maioria das vezes, acaba que a bebida fica sempre associada a ocasiões festivas e que merecem um requinte a mais.

Pois bem… justamente por causa do meu casamento, passei a experimentar alguns espumantes para conseguir escolher qual seria servido na festa. A nossa intenção era conseguir uma boa relação custo/benefício, então, para ser sincera, nem consideramos muito os espumantes internacionais. Resolvemos optar pelas opções nacionais mesmo porque, em relação aos espumantes, o custo dos importados faz diferença. Digo em relação aos espumantes porque quando se trata de vinho nem sempre isso é verdade, mas isso aí já é papo para outro post.

Para começar a nossa busca por espumantes fomos até à CADEG, aqui no Rio de Janeiro. Lá existem diversas lojas de bebidas com diversas opções, então achamos que seria uma boa. O problema na verdade foi que ao chegar lá fiquei muito confusa. Eu não entendia direito a diferença entre os espumantes e continuava experimentando coisas que não me agradavam. Foi então que eu comecei a perguntar e lá vai o conhecimento adquirido que acho que será útil para vocês também…

ALERTA! Esse post não é escrito por um expert em espumantes e sim por alguém que também conhece muito pouco. Logo, não espere informações super apuradas e citações de marcas que custam um milhão de reais. A ideia aqui é falar de bebidas facilmente encontradas nos mercados e explicar um pouco dessa bebida para quem ainda conhece pouco também.

Qual a diferença entre Prosecco, Champagne e Espumante?

De maneira bastante objetiva, Prosecco é feito com uva do tipo Prosecco , que é originária da Itália. Champagne é aquele produzido na província de Champagne – França e utiliza outras uvas na sua composição. O Espumante é aquele produzido em qualquer outro lugar. É claro que se você buscar se aprofundar no assunto, vai descobrir algumas diferenças, como por exemplo, o fato de os Proseccos serem por padrão mais secos que os demais. No entanto, para nós leigos, saber que no fundo a bebida é a mesma e só muda a origem ou a uva utilizada já é super válido. Já dá um check na mente de que é menos uma variação para ter extrema preocupação na hora da compra.

Qual a diferença entre um espumante e outro? Por que uns são mais “amargos”?

Primeira lição: quando a gente toma um espumante e acha ele amargo, na verdade ele é seco. Confesso que eu não sei explicar o por que desse nome, mas na terra dos vinhos e espumantes se o sabor da bebida é doce significa que ele é suave. Se é amargo significa que é seco.

Dado que já aprendemos essa primeira lição, existem basicamente 4 tipos de espumantes se considerarmos as uvas utilizadas na fabricação da bebida. Existem algumas pessoas que dizem que “bons espumantes são bruts”, mas eu discordo disso. Bom espumante é aquele que o paladar te agrada e acho que cada um deles tem um bom momento para ser bebido.

moscatel

Moscatel

Esse é o mais docinho de todos. Ele não é indicado para beber junto das refeições, justamente por ser bem doce, mas é bem gostosinho para quem curte bebidas mais açucaradas e para fazer drinks, como a Mimosa, por exemplo, é uma beleza! Apesar de gostar de vinho seco, eu não sou muito fã de espumantes secos e esse foi o primeiro espumante que gostei e recomendo para aqueles que estão começando.

Dos espumantes nacionais que provamos, o Moscatel que mais gostei foi o da Aurora. Para quem quiser provar, não é difícil de achar nos mercados e o preço varia entre R$18 – R$25, aqui no Rio.

Demi-Sec

Espumante Arte Demi Sec02-500x500

MI077Esse é o melhor para mim. Não é muito suave, nem muito seco. Acompanha bem as refeições, é uma delícia para beber sem acompanhamentos, dá para fazer drinks e não é “amargo”. Esse foi o espumante que escolhemos para a nossa festa e o melhor nacional que experimentamos foi o Casa Valduga Arte Tradicional Elégance. Ele é feito seguindo o método Champenoise e é realmente bem gostoso.

Aqui no Rio, procurando nos mercados só encontramos esse Casa Valduga no Hortifruti por R$ 37,00. Mas não fiquem tristes. Uma outra opção para experimentar e tomar um espumante demi-sec no fim de semana é o Miolo Terranova Demi-sec. Esse você já consegue encontrar com mais facilidade e o preço varia de R$16-R$20, aqui no Rio.

Brut

Então, eu não sou muito fã de espumantes Brut. E não foi por falta de tentativa. Até Veuve Clicquot eu já experimentei e fui quase apedrejada por dizer que achei horrível. Esses espumantes são bem mais secos e talvez por causa das bolhinhas (então… elas ganharão nome em breve) acho que agride um pouco, fica aquele “difícil de descer”. Mas isso é a minha opinião, o meu paladar. Muitas pessoas amam espumantes Brut e eles não devem ser descartados. Estou apenas alertando que são mais secos.

Dos que provamos o Casa Valduga Arte Tradicional Brut também foi o melhor e no Hortifruti está por R$ 37,00. Outra opção mais em conta é o Miolo Terranova ou outros nacionais.

Proseccobedin

Teoricamente o Prosecco tem que ser feito com a uva Prosecco produzida em Veneto na Itália, mas diferente da região de Champagne, não tem nada que impeça de chamar de Prosecco uma bebida que não tem origem italiana de fato e, por isso, existem Proseccos nacionais. Até provamos alguns, mas como disse no início do post, eles são ainda mais secos que o Brut. E eles têm níveis de “secura” (Dry, Extra Dry) entre eles também.

Nós até provamos alguns nacionais, mas não curtimos muito. Porém, tivemos a oportunidade de provar o Prosecco italiano Bedin e esse sim é uma delícia. Para quem estiver afim de gastar mais um pouco, vale a pena.

Por que uns são mais amarelos que outros?

Foi mal, gente. Isso eu também não sei dizer ainda. Mas sei que a coloração da bebida é um ponto que as pessoas levam em consideração na hora de avaliar um espumante e que, provavelmente, está relacionada à uva utilizada na fabricação da bebida. Acredito que de acordo com a uva exista um tom esperado para o espumante e a qualidade dele é avaliado comparando seu tom com o esperado.

Outro ponto que é considerado na avaliação de um espumante é o perlage. Hein?! Eu disse que elas ganhariam nome! São as bolhinhas! Acho que quanto mais fino e persistente melhor. Se vocês começarem a provar, vão ver que alguns espumantes pouco tempo depois já quase não apresentam perlage, as bolhinhas foram todas embora. Isso é ruim.

Ruim também é quando você vai abrir o espumante e não tem pressão e nem perlage. Pode contar que a chance de estar estragado é altíssima.

E o que é esse tal de Método Champenoise?

Existem dois métodos para fazer gerar o gás carbônico e assim nascer o espumante: Champenoise e Charmat.

O Champenoise é conhecido como o método Tradicional, o método que originou de fato a Champagne, lá na França. Ele é um método mais artesanal em que a bebida fica na garrafa durante meses ou anos e de tempos em tempos alguém vai lá e gira a garrafa. Esse processo permite que aos poucos seja liberado o gás carbônico que gera a perlage do espumante.

No método Charmat, o vinho é fermentado em tanques de aço inoxidável e não na própria garrafa. Após a fermentação ele é engarrafa sob pressão e voilá. Esse processo é bem mais econômico e muito utilizado atualmente.

Mas se quiserem saber mais sobre esses métodos, super recomendo uma visita às vínicolas do Sul do Brasil. Lá eles explicam bem melhor que eu, além de vocês curtirem uma viagem super interessante.

Pronto! Agora é só correr para o mercado mais próximo e aproveitar essas dicas para passar um Carnaval refrescante e com puro glamour! Só não esqueçam de gelar bem antes de beber! Espumante bem geladinho nesse calor é o que há!

3 Resultados

  1. jackson disse:

    Olá!

    Parabéns pela matéria! Muito bem explicadinha!
    😀

    Abraços!

    • Paula disse:

      Oi Jackson, tudo bom?

      Que bom que você curtiu! Fica de olho no blog que em breve teremos outros posts sobre esses e outros assuntos!

      Abraços!

  1. 3 de agosto de 2014

    […] Tchran! Está pronto o almoço de domingo! Se quiser, sirva com espumante para dar aquele toque especial! Foi o que fizemos, afinal ninguém é de ferro, […]

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: